Redemoinhos magnéticos na Lua desafiam a ciência

julho 1, 2024
5 minutos lidos
Redemoinhos magnéticos na Lua desafiam a ciência


Os redemoinhos lunares, curiosas formações sinuosas visíveis na superfície da Lua através de um telescópio, intrigam os cientistas há décadas. Parecem pinceladas numa pintura abstrata, mas são muito mais do que isso. Recentemente, dados da NASA revelaram que se estendem por centenas de quilómetros, desafiando explicações simples.

Novas descobertas começam a desvendar o mistério dos redemoinhos lunares. As rochas magnetizadas dentro desses vórtices desempenham um papel crucial, desviando as partículas do vento solar que bombardeiam constantemente a Lua. Enquanto isso, as rochas vizinhas escurecem com o tempo devido às reações químicas desencadeadas por essas colisões, deixando os redemoinhos ainda visíveis em cores claras.

Um registro dos redemoinhos na região de Mare Ingenii na Lua, obtido pela Lunar Reconnaissance Orbiter Camera (LROC) da NASA. Crédito: NASA/GSFC/Universidade Estadual do Arizona

A grande questão é: como é que estas rochas ficaram magnetizadas? A Lua não possui hoje um campo magnético ativo, o que torna esse fenômeno ainda mais intrigante. Alguns cientistas acreditam que os impactos dos meteoritos podem ter feito o trabalho, mas há redemoinhos onde esta explicação não se enquadra bem.

Magma abaixo da superfície da Lua pode explicar os redemoinhos

Em artigo recentemente publicado em Jornal de pesquisa geofísicaMichael J. Krawczynski, da Universidade de Washington, sugere outra teoria: as lavas subterrâneas podem estar a arrefecer lentamente num campo magnético, criando estas anomalias.

Experimentos mostraram que minerais como a ilmenita, comum na Lua, podem gerar campos magnéticos nas condições certas. Isto sugere que o magma subterrâneo pode ser a chave para a compreensão desses redemoinhos.

Redemoinhos lunares capturados pela LRO na cratera Goddard. Crédito: LRO/NASA

Consulte Mais informação:

Descobrir a origem dos redemoinhos lunares não é apenas uma curiosidade científica. Isto poderia revelar informações valiosas sobre como a superfície lunar foi moldada ao longo do tempo e ajudar a compreender a história do campo magnético lunar.

Estas descobertas também poderão ter aplicações importantes para futuras missões à Lua, como a investigação Lunar Vertex da NASA, planeada para explorar um redemoinho lunar conhecido como Reiner Gamma em 2025.

Krawczynski e sua equipe sugerem que a formação de metais por reações subterrâneas poderia explicar as anomalias magnéticas observadas nos redemoinhos. Este tipo de investigação experimental é essencial para testar teorias e previsões sobre como estes fenómenos lunares se desenvolvem.

Embora ainda existam muitas questões sem resposta, como o detalhamento das reações exatas que ocorrem sob a superfície lunar, estes estudos abrem novas perspectivas para a compreensão não apenas da Lua, mas também de outros corpos celestes. A busca por respostas continua enquanto os cientistas exploram os mistérios dos redemoinhos lunares e seu papel no cosmos.





empréstimo empresa privada

consulta bpc por nome

emprestimo consignado caixa simulador

seguro cartão protegido itau valor

itaú portabilidade consignado

simular emprestimo consignado banco do brasil

empréstimo consignado menor taxa

Crédito consignado
Simulador emprestimo fgts caixa. Antecipar saque aniversário. Inss emprestimo consignado.