Transcrição: Representante Jim Himes de Connecticut em “Face the Nation”, 30 de junho de 2024

junho 30, 2024
6 minutos lidos
Transcrição: Representante Jim Himes de Connecticut em “Face the Nation”, 30 de junho de 2024


A seguir está a transcrição de uma entrevista com o deputado Jim Himes, um democrata, no programa “Face the Nation”, que foi ao ar em 30 de junho de 2024.


MARGARET BRENNAN: Agora vamos falar do congressista de Connecticut, Jim Himes. Ele é o principal democrata no Comitê de Inteligência da Câmara. Bom dia para você.

REP. JIM HIMES (D-CT): Bom dia, Margaret.

MARGARET BRENNAN: Eu sei que você foi informado recentemente sobre as prisões em Los Angeles, Filadélfia e Nova York e sobre os oito cidadãos tadjiques com supostas ligações com o ISIS-K. Você sabe onde estamos em termos de entender se eram uma célula que funcionava em conjunto, se havia ligações diretas?

REP. HIMES: Sim, então a aplicação da lei, como seria de esperar, está fazendo bastante progresso na determinação com quem essas pessoas estavam falando, quais eram os planos, outras pessoas envolvidas na rede, se um ataque era iminente, se havia planos específicos para um ataque. E isso não é novidade, não é? Por outras palavras, como sabem, pouco depois de estes indivíduos terem entrado nos Estados Unidos, não foram detidos porque não havia informações depreciativas sobre eles naquela altura, muito rapidamente, surgiu alguma informação depreciativa. E foi tomada a decisão de ficar de olho nesses caras. Agora, a razão pela qual você observa esses caras, em vez de prendê-los instantaneamente, é que seu comportamento e comunicações podem realmente pintar um quadro muito específico de uma trama de conspiração, se houver. Obviamente, em algum momento eles tomaram a decisão de que o risco/recompensa era tal que fizeram essas prisões. Mas é claro que continuam a trabalhar para compreender se houve planos e, em caso afirmativo, quem mais poderia estar envolvido.

MARGARET BRENNAN: Parece que a inteligência ainda está sendo extraída desses oito indivíduos. Então, como podemos dizer que não há ameaça ativa?

REP. HIMES: Bem, Margaret, nunca podemos dizer que não existe uma ameaça ativa. Você sabe, sempre existe uma ameaça básica de um ato terrorista nos Estados Unidos, não há absolutamente nada que possamos fazer para mudar esse fato. Portanto, você nunca pode dizer que o risco é zero. O que podemos fazer é olhar para o período desde o 11 de Setembro, o trágico ataque de 11 de Setembro, e dizer: quantos americanos morreram realmente num ataque terrorista de engenharia estrangeira? E a resposta a essa pergunta é: é extremamente pequeno. Nosso povo é muito, muito bom, mas nunca há risco zero de sofrer um ataque terrorista.

MARGARET BRENNAN: Você apoiaria uma audiência pública com os chefes de inteligência para expor os fatos como os conhecemos? Eu sei que o Diretor Wray disse que estamos no nível de ameaça mais alto possível neste momento.

REP. HIMES: Sim, e Margaret, olha, acho muito importante que as pessoas mantenham isso no contexto. Isso pode ser verdade. E isso é provavelmente verdade, porque o mundo é um lugar mais complicado do que era há 10 anos, especialmente com a guerra em Israel e em Gaza. Vemos todos os grupos islâmicos radicais, desde os Houthis até todos os representantes apoiados pelo Irão, interessados ​​em fazer coisas que talvez não quisessem fazer há 10 anos. Então o Diretor Wray pode estar certo. E, de facto, penso que as nossas agências de inteligência e as autoridades policiais estão em alerta de uma forma que não aconteciam há muito tempo. E veja, a história do Tajiquistão é uma história de sucesso. Eles foram presos. Eles não realizaram um ataque terrorista.

MARGARET BRENNAN: Seu colega republicano, Mike Turner, esteve neste programa há algumas semanas e disse, entre aspas: “Temos terroristas que estão trabalhando ativamente dentro dos Estados Unidos e são uma ameaça para os americanos”. Essa é uma caracterização precisa? E se sim, por que não?

REP. HIMES: Bem, eu – o caso do Tajiquistão é, até onde eu sei, o único caso sobre o qual fomos informados pelo Comitê de Inteligência da nossa comunidade de inteligência, nossa comunidade de aplicação da lei, seguindo pessoas que acreditamos que possam estar envolvidas em A Trama. Certamente não estou ciente de outras situações como essa. Agora, é quase certo que num país de 350 milhões de habitantes há algumas pessoas que pensam em cometer actos de violência. Vemos muita violência neste país, a maior parte é interna, a maior parte não está relacionada com o terrorismo transnacional. Mas, novamente, você perguntou anteriormente sobre uma audiência pública sobre os fatos aqui…

MARGARET BRENNAN: –Sim.

REP. HIMES: E eu não respondi diretamente, então responderei diretamente agora: provavelmente não estamos nesse estágio. Porque aquilo de que começámos a falar foi sobre a necessidade absoluta de fazer cumprir a lei, de compreender realmente todos os contornos desse grupo tadjique e de fazer o trabalho que eles precisam de fazer, o que é melhor feito em segredo.

MARGARET BRENNAN: Em termos do que está acontecendo e da conexão com a fronteira sul, o presidente Biden disse no debate de quinta-feira, entre aspas: “Não estou dizendo que nenhum terrorista conseguiu atravessar”. Então parece estar reconhecendo esse elemento desconhecido aqui. Você acha que a comunidade de inteligência tem os recursos necessários agora para enfrentar a ameaça e a vulnerabilidade na fronteira?

REP. HIMES: Claro, uma fronteira onde as pessoas entram e não sabemos quem são é um risco, não há dúvida sobre isso. E gostaria que tivéssemos aproveitado a oportunidade do projeto de lei bipartidário negociado por Jim Lankford e Chris Murphy, um republicano conservador e um democrata progressista, para fazer algo a respeito. Mas Donald Trump disse: Não, ele disse para não fazer isso. Quero me inscrever neste tópico. Então eu adoraria ver como isso foi feito. Mas, novamente, as pessoas precisam colocar isso em contexto. Quantos americanos foram mortos num ataque terrorista perpetrado por alguém que atravessou furtivamente a fronteira sul? A resposta a essa pergunta é zero. Portanto, alocação de recursos: deveriam o FBI e a CIA concentrar-se na fronteira sul? Não sei. Claramente, é um risco e uma vulnerabilidade. Mas você sabe, muitos desses lotes nós escolhemos por causa de nossa capacidade de coleta no exterior.

MARGARET BRENNAN: Então você acha que os recursos são adequados para a coleta de informações no exterior?

REP. HIMES: Bem, acho que se você tivesse o chefe do FBI ou qualquer uma das pessoas envolvidas nesse esforço, eles diriam que realmente poderíamos usar mais recursos, certo? Mas um dos desafios que temos e sobre o qual não falamos, Margaret, é lembrar que há uma década, agora, mais de uma década, falamos sobre o pivô para a China. Bem, China, invadir Taiwan é um resultado catastrófico em 10 dimensões diferentes. Se levarmos a sério a mudança para a Ásia, se quisermos seriamente apoiar a luta da Ucrânia contra a Rússia, inevitavelmente, porque não temos recursos infinitos, algumas coisas como o contraterrorismo não obterão a quantidade total de recursos de que necessitam. gostaria.

MARGARET BRENNAN: Antes de deixá-lo ir, como você acha que os adversários estrangeiros dos Estados Unidos viram o desempenho do presidente Biden na noite de quinta-feira?

REP. HIMES: Suspeito que, você sabe, quase todo mundo assistiu ao debate e pensou que o presidente não atuou como gostaríamos de vê-lo atuar. No entanto, passei algum tempo com três presidentes diferentes, Margaret, e direi-lhe que o trabalho do presidente é extremamente difícil e envolve todo o tipo de coisas, nenhuma das quais é ficar de pé e debater durante 90 minutos na televisão. O trabalho do Presidente envolve aprovar legislação; Espero que as pessoas comparem o desempenho deste Presidente a esse respeito com o desempenho do último Presidente. Ele–

MARGARET BRENNAN: Ser rápido é importante para o trabalho.

REP. HIMES: –Parte do trabalho do presidente é definir o tom. Bem, sim, sim. E, novamente, acho que ele reconheceu, o vice-presidente reconheceu, que esse não era o desempenho que procurávamos. Mas não sou cínico o suficiente para acreditar que o povo americano vai eleger um presidente com base num debate de 90 minutos, em vez de um historial de quatro anos de conquistas legislativas surpreendentes e de estabelecer um tom que o resto do mundo diz: “uau.” “. “Você sabe, a América voltou a ser o líder decente que acreditávamos que era antes da administração Trump.”

MARGARET BRENNAN: O congressista Himes agradece pelo seu tempo esta manhã. Estaremos de volta em um momento.



simulador emprestimo consignado itau

banco do brasil simular emprestimo consignado

blog do siape

empréstimo para auxilio brasil

empréstimo de 5 mil quanto vou pagar

empréstimo para aposentado itaú

itau portabilidade telefone

Crédito consignado
O que é refinanciamento de emprestimo consignado.