México eliminado da Copa América: como o El Tri conseguiu reduzir as já baixas expectativas em uma exibição sombria

julho 1, 2024
6 minutos lidos
México eliminado da Copa América: como o El Tri conseguiu reduzir as já baixas expectativas em uma exibição sombria



O México não chegou à Copa América com grandes esperanças. Um ano e meio depois de uma eliminação na fase de grupos da Copa do Mundo de 2022, duas eliminações nada espetaculares na Liga das Nações da Concacaf e duas mudanças de treinador depois, muitos perceberam que este não era o time do El Tri, que já foi o padrão ouro da América do Norte. Porém, com a eliminação na fase de grupos da Copa América, no domingo, após empate em 0 a 0 com o Equador, a seleção conseguiu surpreender pelo quanto caiu.

A equipe de Jaime Lozano precisava de uma vitória sobre o Equador para passar do terceiro para o segundo lugar e garantir uma vaga nas quartas de final no fim de semana. A equipe pareceu entender a tarefa desde o início no State Farm Stadium em Glendale, Arizona, com quase 60% da posse de bola e superando os adversários por 19-9. Só havia um problema: eles nunca se gabavam de ter a qualidade necessária para ultrapassar os limites.

Basta procurar seu esforço ofensivo no domingo. O México fez 13 chutes a gol antes de finalmente acertar o primeiro chute a gol aos 65 minutos. A qualidade dos chutes melhorou a partir daí, mas conseguiu apenas 0,86 gols esperados, mandando alguns de seus melhores chutes para longe do gol. A crença de que o México realmente marcaria em uma de suas muitas chances (se houvesse alguma antes do jogo) desapareceu lentamente do jogo cada vez que eles não conseguiram aproveitar um chute. Como resultado, a intensidade que normalmente proporciona um grande número de chutes foi anulada por uma ineficiência que persistiu em seu desempenho, gerando uma sensação de estagnação que aos poucos está se tornando a marca registrada do México.

O seu esforço ofensivo foi talvez a maior falha do México na Copa América, onde marcou apenas um golo em três jogos, muito menos do que os 4,71 golos esperados que gerou ao longo da competição. A sua incapacidade de marcar tornou a sua estabilidade defensiva (eles sofreram apenas uma vez durante a fase de grupos) discutível, mas talvez isso não tenha sido uma grande surpresa, considerando os atacantes com quem entraram no torneio. Nenhum jogador desta jovem equipa do El Tri tem mais de 13 golos internacionais, uma indicação de que uma equipa que tenta recomeçar ainda não iniciou a renovação que esperava.

Os problemas do México na liderança também se refletem na nova escolha dos torcedores para ser o rosto do time, Santiago Giménez. O jogador de 23 anos gerou agitação notável na Europa depois de uma temporada de 26 gols e oito assistências no Feyenoord, posicionando-se como um jovem jogador que muitos esperam melhorar no futuro próximo. Porém, seu potencial ainda não foi traduzido para a seleção: ele marcou apenas quatro gols em 30 partidas, nenhuma delas na Copa América. O seu momento decisivo para o El Tri ainda não chegou e a pressão para que chegue não diminuirá; É raro que o peso das expectativas para o México diminua, e não há razão para esperar que o público local acalme as coisas com o declínio da seleção aqui, apenas dois anos antes da Copa do Mundo em casa.

Depois de anos de tendência descendente, parece bastante fácil prever onde o México poderá ir a partir de agora. Una federación de gatillo fácil podría simplemente despedir al entrenador en jefe una vez más, sin sentir ningún apego particular a Lozano ya que era un interino que consiguió el puesto de tiempo completo porque ganó la Copa Oro de la Concacaf disputada por los equipos B y C da região. A equipe não fez nenhum progresso no ano desde que ele assumiu e parece improvável que muitos sintam sua falta.

No entanto, Lozano não é realmente o problema aqui. A onda de contratações e demissões no México simplesmente cria um ciclo de incerteza que pode dificultar o avanço do programa por acreditar que as soluções estão a um treinador de distância. Seria imprudente argumentar que um treinador talentoso poderia trazer à tona o que há de melhor neste grupo, mas a questão que o México enfrentará nos próximos dois anos é esta: quanto mais alto é o seu teto? Não há dúvida de que o El Tri teve um desempenho inferior, mas os sonhos de uma corrida profunda em 2026 (e no futuro próximo) podem ser mais ambiciosos do que nunca.

Ainda há tempo para reverter o rumo e começar a trabalhar assim que a Copa do Mundo começar. Porém, a saída da fase de grupos da Copa América indica que há muito trabalho a ser feito, e um cronograma de dois anos pode não ser suficiente para cumprir essas tarefas.





menor taxa de juros empréstimo consignado

simulação emprestimo itau

banco itaú empréstimo

taxa emprestimo

emprestimo para funcionario publico municipal

o que é renovação de empréstimo com troco

empréstimo melhor taxa

taxa de juros emprestimo consignado bradesco

juros empréstimo banco

Crédito consignado
Quanto é o juros do emprestimo consignado. Simular saque fgts.