Piloto e avião de combate podem virar um só com novo capacete

junho 20, 2024
6 minutos lidos
Piloto e avião de combate podem virar um só com novo capacete


Se você acompanha as notícias sobre caças ou simplesmente assistiu “Top Gun”, talvez esteja familiarizado com os capacetes robustos e de alta tecnologia que os pilotos usam. O F-35 Lightning II da Lockheed Martin, o avião de combate militar mais caro já produzido, é um dos que utilizavam esse tipo de dispositivo.

Não mais. Para atender às novas demandas tecnológicas da aeronave, um novo capacete de 360 ​​graus faz o avião “desaparecer” de frente para um campo de visão desobstruído, possui realidade aumentada (AR), design customizado e pode até ver o solo. A intenção é que piloto e aeronave se tornem “um”, com o ser humano integrado ao sistema do avião.

Consulte Mais informação:

O capacete foi desenvolvido para a aeronave de combate F-35 Lightning II

O F-35 Lightning II da Lockheed Martin custa US$ 109 milhões (cerca de R$ 594 milhões) e é o modelo mais caro do tipo já produzido. Os custos operacionais anuais giram em torno de US$ 6,6 milhões (cerca de R$ 36 milhões).

Não por acaso, é considerada a aeronave de combate mais avançada do planeta, com tecnologia que evita detecção, sensores em todos os cantos, capacidade de interferência de radar e atinge velocidades superiores a Mach 1,6 (para se ter uma ideia). , a velocidade do som é Mach 1).

Existem três variantes do F-35 e uma delas é o VTOL, sigla que se refere a modelos capazes de decolagem e pouso vertical (categoria que abrange carros voadores).

Portanto, o capacete tradicional precisou ser atualizado. A intenção era ter um modelo que não incluísse o avião de combate na frente, para proporcionar um campo de visão mais claro.

Mais de uma década de desenvolvimento depois, a Collins Aerospace chegou a este modelo com o Genesis III ou HMDS Gen 3.

Vista lateral do capacete dentro de um F-35 (Imagem: Reprodução/Collins Aerospace)

Novo capacete transformará piloto em parte da aeronave

Vejamos algumas das especificações do novo modelo:

  • O HMDS Gen 3 serve como display principal do piloto, mas também como sistema de controle de armas da aeronave. Afinal, a intenção é que o humano se torne “parte” da tecnologia das aeronaves de combate;
  • O F-35 possui seis câmeras posicionadas na parte externa apontando em todas as direções, refletidas na viseira do capacete. Isso dá ao piloto uma visão de 360 ​​graus sem que o avião obstrua a visão. Ou seja, se ele olhar para baixo, não verá as pernas nem o chão da aeronave, mas sim o chão;
  • Ainda é possível coletar dados, utilizar AR, rastrear aeronaves amigas e inimigas, utilizar o sistema de mira e ter visão noturna;
  • O capacete ejeta o piloto do avião a 1.018 km/h se necessário;
  • O modelo é mais pesado que os tradicionais, com 2,3 quilos (um tradicional de última geração pesa cerca de 1,5 kg).

Neste vídeo, a partir das 9h09, você confere uma demonstração do HMDS Gen 3, na prática, em uma aeronave de combate:

Assim como um avião de combate, os capacetes não são baratos.

Para igualar o F-35, o Genesis III não sai barato: custa US$ 400 mil por unidade, cerca de R$ 2,2 milhões.

De acordo com Novo Atlas, o capacete vem com customizações que justificam o valor. É feito de fibra de carbono por fora e espuma por dentro. Todo o design é feito sob medida para o piloto, baseado em um modelo 3D da cabeça.

A distância da pupila até a viseira também é customizada para garantir o foco no combate e há revisões de segurança a cada 120 dias.





empréstimo empresa privada

consulta bpc por nome

emprestimo consignado caixa simulador

seguro cartão protegido itau valor

itaú portabilidade consignado

simular emprestimo consignado banco do brasil

empréstimo consignado menor taxa

Crédito consignado
Simulador saque fgts. Simulação emprestimo fgts caixa. Refinanciamento de emprestimo consignado demora quanto tempo.