Jornalista americano Evan Gershkovich vai a julgamento na Rússia por acusações de espionagem

junho 26, 2024
5 minutos lidos
Jornalista americano Evan Gershkovich vai a julgamento na Rússia por acusações de espionagem



YEKATERINBURG, Rússia (AP) – Evan Gershkovich, jornalista do Wall Street Journal, foi julgado a portas fechadas em Yekaterinburg na quarta-feira, 15 meses após sua prisão na cidade russa por acusações de espionagem que ele, seu empregador e o governo dos EUA negam veementemente.

O jornalista de 32 anos compareceu ao tribunal numa jaula de vidro, com a cabeça rapada e vestindo uma camisa xadrez preta e azul. Havia um cadeado amarelo na gaiola.

Os repórteres foram autorizados a entrar no tribunal por alguns minutos antes do encerramento do processo. Dois funcionários consulares da Embaixada dos EUA em Moscou também foram autorizados a comparecer brevemente ao tribunal, de acordo com a embaixada.

A próxima audiência de Gershkovich foi marcada para 13 de agosto, disseram autoridades judiciais.

Jay Conti, vice-presidente executivo e conselheiro geral da Dow Jones, editora do Journal, descreveu o julgamento como uma farsa numa entrevista à Associated Press.

“Ele era um jornalista credenciado que fazia jornalismo, e este é um julgamento falso, acusações falsas que são completamente inventadas”, disse Conti.

Gershkovich, filho de imigrantes da URSS, nascido nos Estados Unidos, é o primeiro jornalista ocidental a ser preso sob acusação de espionagem na Rússia pós-soviética. As autoridades prenderam Gershkovich enquanto ele estava em uma viagem de reportagem a Yekaterinburg, nos Montes Urais, e alegaram que ele estava coletando informações secretas para os Estados Unidos. O Departamento de Estado declarou-o “detido injustamente”, comprometendo assim o governo a procurar firmemente a sua libertação.

O Journal trabalhou diligentemente para manter o caso sob os olhos do público, e tornou-se um tema quente nos meses combativos que antecederam as eleições presidenciais dos EUA.

Após sua prisão em 29 de março de 2023, Gershkovich foi detido na notoriamente deprimente prisão de Lefortovo, em Moscou. Ele parecia saudável durante as audiências judiciais nas quais seus apelos para sua libertação foram rejeitados.

“Evan demonstrou notável resiliência e força face a esta situação sombria”, disse a Embaixadora dos EUA Lynne Tracy no aniversário de um ano da sua prisão.

Gershkovich pode pegar até 20 anos de prisão se o tribunal o considerar culpado, o que é quase certo. Os tribunais russos condenam mais de 99% dos arguidos que comparecem perante eles, e os procuradores podem recorrer de sentenças que considerem demasiado brandas, podendo até recorrer de absolvições.

Além disso, a interpretação da Rússia sobre o que constitui crimes graves, como espionagem e traição, é ampla, e as autoridades muitas vezes perseguem pessoas que partilham informações publicamente disponíveis com estrangeiros e acusam-nas de divulgar segredos de Estado.

Paul Whelan, um executivo americano de segurança corporativa, foi preso em Moscou por espionagem em 2018 e cumpre pena de 16 anos.

A prisão de Gershkovich ocorreu cerca de um ano depois de o presidente Vladimir Putin ter aprovado leis que paralisaram os jornalistas, criminalizando as críticas ao que o Kremlin chama de “operação militar especial” na Ucrânia e declarações vistas como desacreditando os militares. A maioria dos jornalistas estrangeiros deixou o país depois da aprovação das leis; Muitos regressaram nos meses seguintes, mas havia preocupações sobre se as autoridades russas agiriam contra eles.

Após sua prisão, aumentaram os temores de que a Rússia tivesse como alvo os americanos, à medida que crescia a animosidade entre Moscou e Washington. No ano passado, Alsou Kurmasheva, um repórter com dupla cidadania americana e russa da Rádio Liberty/Radio Free Europe, financiada pelo governo dos EUA, foi preso por alegadamente violar a lei que exige o registo dos chamados “agentes estrangeiros”.

Outra dupla de nacionalidade, Ksenia Karelina, residente em Los Angeles, está a ser julgada, também em Yekaterinburg, sob a acusação de traição por alegadamente angariar dinheiro para uma organização ucraniana que fornecia armas e munições a Kiev. Vários jornalistas ocidentais foram forçados a sair após a prisão de Gershkovich porque a Rússia se recusou a renovar os seus vistos.

Agora que o julgamento de Gershkovich está encerrado, poucos detalhes do seu caso podem ser tornados públicos. Mas o gabinete do Procurador-Geral russo disse este mês que ele é acusado de “reunir informações secretas” sobre ordens da CIA sobre Uralvagonzavod, uma fábrica a cerca de 145 quilómetros a norte de Yekaterinburg que produz e repara tanques e outro equipamento militar.

Uralvagonzavod não é apenas estrategicamente sensível, mas também tem sido um ninho de veementes sentimentos pró-Putin onde um americano curioso poderia ofender e alarmar. Em 2011, o gerente da fábrica, Igor Kholmanskikh, chamou a atenção nacional para o programa anual de Putin ao denunciar os protestos em massa em Moscou na época. Mais tarde, Putin nomeou-o seu enviado regional e membro do Conselho de Segurança Nacional.

“Evan Gershkovich enfrenta uma acusação falsa e infundada. …A difamação do regime russo contra Evan é nojenta, repugnante e baseada em mentiras calculadas e transparentes. O jornalismo não é crime”, afirmaram o editor da revista, Almar Latour, e a editora-chefe, Emma Tucker, em comunicado após o anúncio da data do julgamento.

“Esperávamos evitar este momento e agora esperamos que o governo dos Estados Unidos redobre os seus esforços para libertar Evan”, disseram.

A Rússia não descartou uma troca de prisioneiros envolvendo Gershkovich, mas diz que isso não será possível antes que um veredicto seja emitido no seu caso. Isso pode demorar meses, porque os julgamentos russos são frequentemente adiados por semanas. A perspectiva pós-veredicto é mista.

Embora as relações entre a Rússia e os Estados Unidos sejam muito controversas devido ao conflito na Ucrânia, o Kremlin e Washington chegaram a um acordo em 2022 que libertou a estrela da WNBA Brittney Griner, que cumpria pena de mais de nove anos por posse de cannabis.

Mas essa troca também libertou o prisioneiro russo de maior valor para os Estados Unidos, o traficante de armas Viktor Bout, e os Estados Unidos podem não ter outra carta tão forte. Putin aludiu ao interesse em libertar Vadim Krasikov, um russo preso na Alemanha por assassinar um líder rebelde checheno em Berlim, mas a vontade da Alemanha de ajudar numa disputa entre a Rússia e os Estados Unidos é incerta.

A administração Biden também seria sensível se parecesse revelar demasiado depois de receber críticas substanciais ao trocar Bout, amplamente chamado de “o Mercador da Morte”, por uma figura desportiva.

Mas Biden pode sentir um incentivo para garantir a libertação de Gershkovich devido às afirmações do ex-presidente Donald Trump, que é o seu principal rival nas eleições deste ano, de que poderá facilmente garantir a libertação do jornalista. Putin “fará isso por mim, mas não por mais ninguém”, disse Trump em maio.

O Kremlin, no entanto, diz que não tem estado em contacto com Trump, e o porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, irritou-se com a atenção dada a uma possível troca, dizendo que “estes contactos devem ser realizados em total sigilo”.

Heintz relatou de Tallinn, Estônia. Lynn Berry em Washington e Dasha Litvinova em Tallinn, Estônia, contribuíram.



quitar empréstimo banco do brasil

empréstimo aposentado banco do brasil

emprestimo itau simulação

ggbs consignado

o’que é emprestimo sim digital

juros de emprestimo banco do brasil

juro empréstimo

redução de juros empréstimo consignado

Crédito consignado
O que e emprestimo consignado. O que é refinanciamento de emprestimo consignado.