O que se sabe e o que não se sabe sobre o acordo de associação assinado entre a Rússia e a Coreia do Norte

junho 20, 2024
6 minutos lidos
O que se sabe e o que não se sabe sobre o acordo de associação assinado entre a Rússia e a Coreia do Norte



SEUL, Coreia do Sul (AP) – Tanto o presidente russo, Vladimir Putin, quanto o líder norte-coreano, Kim Jong Un, dizem que uma nova parceria estratégica é um avanço, mas o que isso significa para o seu relacionamento permanece incerto.

O pacto exige que ambos os países utilizem todos os meios disponíveis para fornecer assistência militar imediata em caso de guerra, segundo a mídia estatal norte-coreana. Embora o acordo, assinado quarta-feira numa cimeira em Pyongyang, possa representar o acordo mais forte assinado pelos países após a Guerra Fria, existem opiniões divergentes sobre o quão forte é o compromisso de segurança.

Kim afirmou que o acordo elevou as relações bilaterais ao nível de uma aliança, enquanto Putin foi mais discreto e não o chamou de aliança.

A mídia estatal norte-coreana publicou o texto do acordo, que também inclui uma cooperação mais ampla em matéria militar, política externa e comércio. A Rússia não publicou a sua versão do texto.

As relações entre a Rússia em ascensão e a pequena e isolada Coreia do Norte (ambas potências nucleares) melhoraram significativamente nos últimos anos, no meio da crescente aspereza da Rússia com o Ocidente devido à invasão da Ucrânia e à supressão de toda a oposição interna.

Um dos primeiros efeitos colaterais do acordo ocorreu na quinta-feira, quando um funcionário do gabinete presidencial da Coreia do Sul disse que o país iria reconsiderar a sua política de limitar o seu apoio à Ucrânia a fornecimentos não letais. O funcionário falou sob condição de anonimato durante um briefing de acordo com as regras do escritório. A Coreia do Sul, um crescente exportador de armas, forneceu ajuda humanitária à Ucrânia, mas não forneceu armas diretamente a Kiev.

Aqui está uma olhada no que se sabe sobre a nova parceria e o que ainda não está claro.

O que a Rússia e a Coreia do Norte prometeram?

A maior parte do debate sobre o acordo de associação gira em torno do artigo que promete ajuda mútua. De acordo com a mídia estatal norte-coreana, a seção afirma que se um dos países for invadido e levado a um estado de guerra, o outro deve mobilizar “todos os meios à sua disposição sem demora” para fornecer “assistência militar e de outra natureza”. .

Mas também diz que tais ações devem estar em conformidade com as leis de ambos os países e com o artigo 51.º da Carta das Nações Unidas, que reconhece o direito de um Estado membro da ONU à legítima defesa.

Para alguns analistas, isso soa como uma promessa de que qualquer uma das nações interviria se a outra fosse atacada, renovando uma promessa feita ao abrigo de um tratado de 1961 entre a Coreia do Norte e a União Soviética. Esse acordo foi anulado após o colapso da URSS e substituído em 2000 por outro que oferecia garantias de segurança mais fracas.

Cheong Seong Chang, analista do Instituto Sejong da Coreia do Sul, disse que o acordo ecoa a linguagem do tratado de 1961, bem como as disposições do tratado de defesa mútua EUA-Coreia do Sul sobre a ativação de canais para coordenação caso algum deles enfrente a ameaça de invasão.

“A Coreia do Norte e a Rússia restabeleceram completamente a sua aliança militar da era da Guerra Fria”, disse Cheong.

Outros especialistas foram mais cautelosos, dizendo que a secção foi cuidadosamente redigida para evitar intervenções instintivas e limita estritamente as circunstâncias sob as quais qualquer país seria obrigado a intervir. E a linguagem do acordo é muito menos importante do que aquilo de que cada nação é realmente capaz. e está disposto a fazê-lo, disse Du Hyeogn Cha, analista do Instituto Asan de Estudos Políticos em Seul.

Embora seja raro que qualquer tratado de defesa estabeleça especificamente que um país deve intervir automaticamente para defender um parceiro sob ataque, a força do compromisso pode ser sinalizada de outras formas, como a forma como os Estados Unidos colocam milhares de tropas na Coreia do Sul. Sul. e coordena estreitamente com seu aliado em sistemas de treinamento e armas, disse Cha. Mas a Rússia, por exemplo, não tem presença de tropas na Coreia do Norte e os países não têm um histórico estabelecido de actividades militares conjuntas e de coordenação, para além de alegadas transferências de munições do Norte para a Rússia.

O facto de o artigo invocar as leis internas dos países e a Carta das Nações Unidas pode reflectir que a Rússia tentou limitar a sua obrigação de defesa a condições muito estritas: quando é claro que a Coreia do Norte não instigou a agressão, o ataque ao Norte é legalmente reconhecido na Rússia é uma guerra e a defesa russa do Norte é justificada pela ONU, afirmou Cha.

“O acordo é uma declaração simbólica que promete uma cooperação alargada, mas deixa muito espaço para interpretação quando colocado em prática”, disse Cha. “A maior preocupação sobre a cimeira não é se (a Rússia) se comprometeu ou não com uma intervenção militar automática, mas a possível expansão das transferências de armas norte-coreanas para a Rússia e as transferências de tecnologias militares russas para o Norte”.

Que tipos de cooperação militar são possíveis?

Putin disse que não iria “excluir o desenvolvimento da cooperação técnico-militar com a República Popular Democrática da Coreia, de acordo com o documento assinado hoje”.

Esta declaração, na verdade, formaliza algo que os países ocidentais afirmam já estar a acontecer.

Os Estados Unidos e outros aliados alegam que a Rússia recebeu mísseis balísticos e munições da Coreia do Norte, à medida que a guerra na Ucrânia esgota o inventário de Moscovo, e que a Rússia fez transferências de tecnologia para Pyongyang que poderiam aumentar a ameaça representada pelo programa de mísseis e pelas armas nucleares de Kim. .

A mídia estatal norte-coreana também disse que o acordo exige que os países tomem medidas para fortalecer as suas capacidades de defesa conjuntas, mas não especificou quais seriam essas medidas, ou se incluiriam treinamento militar combinado.

O acordo também exige que os países cooperem activamente nos esforços para estabelecer uma “nova ordem mundial justa e multipolar”, disse a Agência Central de Notícias Coreana do Norte, sublinhando como os países estão a alinhar-se enquanto enfrentam confrontos separados e crescentes com os Estados Unidos e os seus Estados Unidos. aliados.

“A Rússia e a Coreia do Norte provavelmente manterão os detalhes específicos desta cooperação bem guardados, mas o acordo é uma forma de deixar o mundo – e em particular os Estados Unidos e os seus aliados – saberem que trabalharão juntos”, disse Ankit. . Panda, analista sênior do Carnegie Endowment for International Peace.

Qual é o aspecto econômico do pacto?

A parceria exige também o desenvolvimento de laços económicos, uma questão especialmente importante para a Coreia do Norte, que está sob uma série de sanções internacionais. A Coreia do Norte precisa de alimentos, materiais industriais e outros bens e, por sua vez, pode fornecer mão-de-obra à mão-de-obra russa esgotada pela guerra. Esses trabalhadores poderiam então converter os salários em rublos em dólares ou euros, tornando-se potencialmente numa fonte de moeda forte de que a Coreia do Norte necessita desesperadamente.

Tais atividades violariam as sanções da ONU. Horas antes de chegar à Coreia do Norte, Putin prometeu num artigo de opinião que os países superariam as sanções juntos. A Rússia está sujeita a sanções ocidentais pela invasão da Ucrânia.

Putin disse que o volume de negócios entre a Rússia e a Coreia do Norte aumentou nove vezes no ano passado, mas admitiu que o montante em si permanece “modesto”.

___

Heintz relatou de Tallinn, Estônia.



quitar empréstimo banco do brasil

empréstimo aposentado banco do brasil

emprestimo itau simulação

ggbs consignado

o’que é emprestimo sim digital

juros de emprestimo banco do brasil

juro empréstimo

redução de juros empréstimo consignado

Crédito consignado
Empréstimo conta de luz cpfl.