Protestos mortais contra a lei financeira do Quénia levaram o Presidente William Ruto a deixar de apoiar aumentos de impostos.

junho 26, 2024
3 minutos lidos
Protestos mortais contra a lei financeira do Quénia levaram o Presidente William Ruto a deixar de apoiar aumentos de impostos.


Joanesburgo – Ao menos 22 manifestantes foram mortos e dezenas de outros ficaram feridos nas ruas do Quénia na terça-feira, quando entraram em confronto com a polícia em manifestações caóticas por causa de uma controversa lei financeira repleta de aumentos de impostos que foi aprovada pelo parlamento do país, de acordo com grupos de direitos humanos. Embora as mortes e os feridos ainda estejam a ser contabilizados, a mensagem dos manifestantes parece ter convencido o presidente do Quénia a recuar, e ele disse na quarta-feira que não assinaria a legislação.

Manifestantes na capital, Nairóbi, invadiram o prédio do parlamento e incendiaram parte dele na terça-feira, logo depois que os legisladores votaram pela aprovação do controverso projeto de lei financeira. A Comissão Nacional de Direitos Humanos do Quénia disse que pelo menos 22 pessoas foram mortas nos confrontos e outras organizações citaram números de mortos semelhantes.

Na tarde de quarta-feira, no seu segundo discurso televisionado em apenas 24 horas, o presidente William Ruto disse: “Concordo e não assinarei o projeto de lei”.

QUÊNIA-POLÍTICA-ECONOMIA-MOTINHOS
O presidente queniano, William Ruto, dirige-se aos jornalistas durante uma conferência de imprensa na State House, em Nairobi, em 26 de junho de 2024.

SIMÓN MAINA/AFP/Getty


Os impopulares aumentos de impostos visavam angariar quase 2,3 mil milhões de dólares para ajudar a resolver as dificuldades financeiras do Quénia. A dívida nacional tem estado fora de controlo durante anos, exercendo pressão sobre o governo por parte de instituições financeiras estrangeiras e forçando-o a entregar uma enorme proporção do seu rendimento anual em pagamentos de juros.

Ruto disse na quarta-feira que, ao devolver a lei financeira ao parlamento para alterações, deveria haver um diálogo nacional para determinar como remediar a crise económica.

Ele apelou a “uma conversa como nação, sobre como gerir os assuntos da nação em conjunto, a dívida, o orçamento, em conjunto”.

Membros do movimento de protesto, liderado em grande parte por quenianos mais jovens, prometeram em publicações nas redes sociais, antes dos comentários de Ruto na quarta-feira, que regressariam às ruas na quinta-feira para mais um dia de manifestações.

“Eles não podem matar todos nós”, disse a ativista Hanifa Adan num post. “Amanhã marcharemos novamente pacificamente, vestindo branco, por todos os nossos caídos. Vocês não serão esquecidos!”

Não ficou imediatamente claro se os protestos planeados para quinta-feira iriam prosseguir dada a decisão de Ruto de não assinar a lei financeira.

QUÊNIA-POLÍTICA-ECONOMIA-MOTINHOS
O presidente queniano, William Ruto, dirige-se aos jornalistas durante uma conferência de imprensa na State House, em Nairobi, em 26 de junho de 2024.

SIMÓN MAINA/AFP/Getty


Os protestos começaram na semana passada, inicialmente contra propostas de aumentos acentuados de impostos sobre bens básicos como pão, óleo de cozinha e fraldas. Essas medidas mais controversas foram abandonadas antes mesmo da votação no parlamento na terça-feira.

Os protestos foram organizados principalmente por jovens quenianos, da Geração Z, que utilizaram as redes sociais para atrair um grande número de pessoas aos eventos.

Os protestos começaram de forma pacífica, mas tornaram-se mais amargos até se transformarem em violência na terça-feira, quando a polícia disparou gás lacrimogéneo, canhões de água e munições reais enquanto tentava controlar as multidões turbulentas.

Os manifestantes que invadiram o parlamento vandalizaram o interior do edifício e incendiaram partes do complexo, surpreendendo os legisladores quando invadiram as portas da câmara e fazendo com que alguns fugissem para se abrigar nos corredores do porão.

A maça cerimonial do Parlamento, que simboliza a autoridade da legislatura, foi roubada e vista nas mãos dos manifestantes enquanto caminhavam pela rua.

Num discurso na noite de terça-feira, Ruto disse que todos os meios seriam mobilizados para “frustrar qualquer tentativa de criminosos perigosos de minar a segurança e a estabilidade do nosso país”, e depois enviou forças militares quenianas para ajudar a reprimir os protestos.

Médicos e administradores hospitalares relataram que quase 300 pessoas ficaram feridas em todo o país nos confrontos de terça-feira.

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, disse estar “profundamente entristecido” pelos relatos de mortes e feridos, “incluindo jornalistas e pessoal médico, relacionados com protestos e manifestações de rua no Quénia”.

Ele instou as autoridades quenianas a “exercerem moderação” e convocou manifestações pacíficas.

Num comunicado divulgado na quarta-feira, o grupo de direitos humanos Amnistia Internacional disse que a responsabilidade pelas mortes de terça-feira “cabe diretamente com o presidente Ruto, embora ele não estivesse presente na rua. Ele não pode fugir à responsabilidade”.



antecipação décimo terceiro itau

juros emprestimo consignado banco central

empréstimo consignado bradesco simulação

banco pan faz empréstimo pelo whatsapp

simulação emprestimo itau consignado

se eu quitar um empréstimo posso fazer outro

menor taxa de juros consignado 2023

emprestimo consignado simulação caixa

Crédito consignado
Refin de emprestimo consignado. Refinanciamento de emprestimo consignado demora quanto tempo.