Mistério cósmico é detectado em galáxia satélite da Via Láctea

junho 28, 2024
5 minutos lidos
Mistério cósmico é detectado em galáxia satélite da Via Láctea


Uma galáxia próxima da Via Láctea, que fica a cerca de 380 mil anos-luz da Terra, poderá trazer novas pistas sobre a misteriosa matéria escura, substância que constitui mais de 80% do Universo, mas que ainda não foi detectada diretamente.

De acordo com um novo estudo, publicado na revista científica As cartas do jornal astrofísicoesta galáxia, chamada Cratera II, pode ser composta por uma forma hipotética de matéria escura conhecida como matéria escura de auto-interação (SIDM), o que sugere que suas partículas interagem através de uma força desconhecida diferente da gravidade.

De acordo com Hai-Bo Yu, professor de física e astronomia da Universidade da Califórnia-Riverside, e um dos autores da pesquisa, as simulações computacionais revelaram que as previsões e observações do SIDM da Cratera II são surpreendentemente precisas. A força necessária para esta auto-interacção é maior do que inicialmente previsto, oferecendo uma nova perspectiva sobre a matéria escura.

Cerca de 50 galáxias anãs orbitam a Via Láctea. Novas pesquisas sugerem que uma delas, conhecida como Cratera II, pode consistir em partículas de matéria escura interagindo entre si. Crédito: ESA/Gaia/DPAC

Cratera II é a quarta maior galáxia satélite da Via Láctea

Descoberta em 2016 através do Very Large Telescope (VLT), localizado no Chile, a galáxia da Cratera II é o quarto maior satélite da Via Láctea, depois das Grandes e Pequenas Nuvens de Magalhães e da Galáxia de Sagitário. Se fosse visível a olho nu, pareceria duas vezes maior que a lua cheia.

Com milhares de milhões de estrelas antigas espalhadas por 6.500 anos-luz de largura, a Cratera II é incrivelmente ténue, sendo quase 100.000 vezes mais escura que a Via Láctea.

Os astrónomos ainda não compreendem completamente como esta galáxia se formou e mantém o seu tamanho. Sabe-se que evolui sob a influência gravitacional da Via Láctea, que exerce uma força de maré que alonga o seu perfil. Isso também afeta seu halo de matéria escura.

Via Láctea (Crédito: estrelas Halo: ESA/Gaia/DPAC, T Donlon et al. 2024; Antecedentes da Via Láctea e Nuvens de Magalhães: Stefan Payne-Wardenaar)
Os cientistas dizem que há um halo de matéria escura ao redor da Via Láctea e das galáxias satélites. Crédito: Halo estrelas: ESA/Gaia/DPAC, T Donlon et al. 2024; Antecedentes da Via Láctea e das Nuvens de Magalhães: Stefan Payne-Wardenaar

Hai-Bo Yu compara este efeito à forma como a gravidade da Lua causa as marés na Terra. No caso da Cratera II, esta força deverá remover estrelas e matéria escura, reduzindo sua massa ao longo do tempo. No entanto, medições recentes da órbita da galáxia sugerem que estas interações são demasiado fracas para explicar as suas densidades de matéria escura, desafiando o modelo de cosmologia Lambda-CDM prevalecente.

Consulte Mais informação:

A equipe de Yu simulou a perda de massa da Cratera II devido à força das marés da Via Láctea e descobriu que suas propriedades podem ser explicadas pela interação entre partículas de matéria escura.

Eles descobriram que a Cratera II não tem uma concentração central de matéria escura de alta densidade, como previsto pelo modelo Lambda-CDM. Em vez disso, se a matéria escura interage automaticamente, as colisões internas poderiam distribuir energia entre as partículas, equilibrando o halo da galáxia e explicando a falta de uma cúspide central.

Agora, os autores do estudo esperam que observações futuras de galáxias semelhantes confirmem esta nova teoria sobre a matéria escura.





empréstimo empresa privada

consulta bpc por nome

emprestimo consignado caixa simulador

seguro cartão protegido itau valor

itaú portabilidade consignado

simular emprestimo consignado banco do brasil

empréstimo consignado menor taxa

Crédito consignado
Quanto é o juros do emprestimo consignado. Quanto é o juros do emprestimo consignado. Antecipação saque fgts.