Risco de Alzheimer é maior para quem tem histórico materno da doença

julho 2, 2024
5 minutos lidos
Risco de Alzheimer é maior para quem tem histórico materno da doença


O Alzheimer pode ser transmitido entre gerações de uma família, ou seja, é caracterizado como hereditário em alguns casos. Uma nova investigação sobre esse papel genético revelou que pessoas com histórico materno apresentam maior risco de desenvolver também a doença, em comparação com aquelas que possuem apenas histórico paterno.

Uma análise de dados de 4.413 pessoas com idades entre os 65 e os 85 anos, sem sintomas de Alzheimer, mas com algum histórico familiar, levou a esta conclusão. Os detalhes estão descritos no artigo publicado por Neurologia JAMA.

  • A pesquisa baseou-se principalmente nos níveis de biomarcadores da doença de Alzheimer, neste caso, a presença de placas amilóides.
  • Eles são formados no cérebro a partir do acúmulo de proteínas chamadas beta-amilóides. Os médicos acreditam que esses conglomerados afetam a saúde dos neurônios, levando ao declínio cognitivo.
  • Algumas pessoas podem apresentar níveis elevados dessas placas antes mesmo do aparecimento dos sintomas, possibilitando a detecção precoce da doença.
  • No caso de pessoas com história materna de Alzheimer, os níveis de beta-amilóide foram mais elevados e, em média, mais elevados quando comparados com aqueles com história paterna.
  • Isto indica que a herança genética do lado materno parece influenciar o risco de as crianças desenvolverem a doença.
  • Aqueles com histórico paterno de início tardio – quando os sintomas aparecem mais tarde do que o esperado – ou que não tinham histórico familiar, apresentavam níveis normais de beta-amilóide.
Os genes da mãe têm maior influência no risco de desenvolver Alzheimer – Imagem: Billion Photos / Shutterstock

Consulte Mais informação:

Por que o Alzheimer da mãe aumenta o risco da doença na família?

Ainda não há uma explicação clara de como a genética da mãe aumenta as chances de desenvolver Alzheimer. No entanto, há uma suspeita. Apenas os genes maternos transmitem mitocôndrias – estruturas responsáveis ​​pela geração de energia dentro das células. Eles têm DNA único e às vezes podem sofrer mutações que causam disfunção mitocondrial.

O cérebro é a parte que mais consome energia – cerca de 20% do que é produzido pelo corpo. Não é de surpreender que um problema nas mitocôndrias possa afetar o funcionamento do órgão. Na verdade, a disfunção mitocondrial já foi associada ao Alzheimer em outras pesquisas.

Cérebro
O cérebro consome uma quantidade significativa de energia para funcionar. Se a fonte de alimentação estiver prejudicada, também pode apresentar problemas – Imagem: Yurchanka Siarhei/Shutterstock

Próximas etapas do estudo

A nova descoberta de que o risco de Alzheimer pode depender do progenitor de quem a doença foi herdada pode ser útil no diagnóstico precoce. Considerar a história parental específica do género ajuda a identificar aqueles com grandes probabilidades de ter a doença no futuro.

Agora, os cientistas podem querer investigar o impacto do DNA materno, especialmente do cromossomo X, e da disfunção mitocondrial na doença. É o que diz Rahul Sidhu, doutorando em Neurociências na Universidade de Sheffield, em artigo publicado na A conversa.





empréstimo empresa privada

consulta bpc por nome

emprestimo consignado caixa simulador

seguro cartão protegido itau valor

itaú portabilidade consignado

simular emprestimo consignado banco do brasil

empréstimo consignado menor taxa

Crédito consignado
Qual o numero maximo de parcelas para emprestimo consignado. Simulação emprestimo fgts caixa.