Artefatos de ritual sombrio ficam escondidos por 12 mil anos

julho 1, 2024
6 minutos lidos
Artefatos de ritual sombrio ficam escondidos por 12 mil anos


Os pesquisadores encontraram dois gravetos em uma caverna no sudeste da Austrália com sinais de que haviam sido usados ​​em um ritual de maldição. Dois detalhes são importantes nesta história: 1) os artefatos datam de 11 mil a 12 mil anos atrás; e 2) este ritual foi relatado no século XIX. Ao ligar estes dois pontos, os bastões demonstram a prática cultural mais antiga registada no mundo.

Varas antigas demonstram a prática cultural mais antiga registrada na Terra

  • Os pesquisadores encontraram dois gravetos em uma caverna no sudeste da Austrália, datados de 11 mil a 12 mil anos, usados ​​em rituais de maldição, evidenciando a mais longa continuação de uma prática cultural no mundo;
  • A Caverna Cloggs, localizada em Gippsland, Victoria, nas terras do povo GunaiKurnai, continha bastões de Casuarina, um com 12 mil anos, o artefato de madeira mais antigo encontrado na Austrália, e outro com aproximadamente 11 mil anos – ambos indicativos de rituais;
  • Os palitos apresentavam sinais de queimaduras leves e lipídios provenientes de gordura humana ou animal, indicando uso ritualístico. A segunda vara tinha formato inclinado, como um lançador de lança, associado ao poder entre as culturas indígenas australianas;
  • O etnógrafo Alfred Howitt, no século 19, registrou práticas dos GunaiKurnai, incluindo rituais de maldição usando bastões de Casuarina. Esta descoberta arqueológica demonstra 12.000 anos de transferência de conhecimento, a prática cultural mais antiga registada na Terra.

A caverna é conhecida como Cloggs e fica na região de Gippsland, em Victoria, nas terras do povo GunaiKurnai. A pesquisa sobre os artefatos encontrados na caverna foi publicada na revista Natureza Comportamento Humano nesta segunda-feira (1º).

Caverna na Austrália escondeu gravetos que deixaram pesquisadores intrigados

Russel Muller (esquerda), ancião do GunaiKurnai, e Professor Bruno David (direita) (Imagem: Monash University)

Parte da caverna desabou há cerca de seis mil anos. Assim, o professor Bruno David, da Universidade Monash, e seus colegas se concentraram em uma parte da caverna que não havia sido afetada.

Foi nesta zona que encontraram um pau de casuarina ligeiramente queimado, com cerca de 40 centímetros de comprimento, emergindo de uma lareira do tamanho de uma mão rodeada de rochas calcárias. O bastão de 12 mil anos é o artefato de madeira mais antigo já encontrado na Austrália.

Geralmente, os itens de madeira não sobrevivem tanto tempo. E o bastão tinha características ainda mais peculiares. A queimadura em uma das extremidades indicava que ele havia sido colocado brevemente sobre um fogo quente.

Isto por si só indicava, para David, um ritual ou prática cultural. Além disso, o bastão continha lipídios provenientes de gordura humana ou animal. E seus galhos foram cuidadosamente removidos.

Escavações posteriores revelaram um bastão de Casuarina semelhante. Ele era aproximadamente mil anos mais novo, mas havia sido processado da mesma forma. A ponta da segunda vara tinha o formato de um lançador de lança, um instrumento associado ao poder entre as culturas indígenas australianas.

Consulte Mais informação:

Desvendando o mistério por trás dos artefatos encontrados em caverna australiana

Fique em uma caverna na Austrália
Vara encontrada em caverna é o artefato de madeira mais antigo da Austrália (Imagem: Monash University)

Os GunaiKurnai sobreviventes perderam a memória cultural das varas. No entanto, o etnógrafo do século XIX, Alfred Howitt, registou aspectos da cultura dos povos indígenas do sudeste da Austrália, incluindo descrições de práticas que foram esquecidas quando os nativos da região foram confinados e proibidos de falar as suas próprias línguas.

Howitt registrou que quando os GunaiKurnai queriam amaldiçoar alguém, eles tinham uma pessoa altamente treinada, conhecida como mulla-mullung, que conduzia uma cerimônia usando um bastão de Casuarina e algo pertencente a quem havia atraído sua ira.

Segundo Howitt, o item da vítima estava preso ao bastão com algumas penas de águia e o bastão estava untado com gordura humana ou animal. O graveto ficava fincado no chão ao lado do fogo e o mulla-mullung cantava sobre ele. Os mulla-mullung também eram curandeiros e podem ter tido rituais correspondentes destinados a curar pessoas.

“Conectar essas descobertas arqueológicas com as práticas recentes de GunaiKurnai demonstra 12.000 anos de transferência de conhecimento”, disse David, em um comunicado. “Nenhum outro lugar na Terra tem evidências arqueológicas de que uma prática cultural tão específica tenha sido rastreada até agora.”





empréstimo empresa privada

consulta bpc por nome

emprestimo consignado caixa simulador

seguro cartão protegido itau valor

itaú portabilidade consignado

simular emprestimo consignado banco do brasil

empréstimo consignado menor taxa

Crédito consignado
Simulador emprestimo fgts caixa. Simular emprestimo fgts.